Nesta página tentaremos dar conta de todas as novidades relacionadas com dentes quer a nível científico, acadêmico, prático (como seguros) e curiosidades.


Gel Carisolv

- É um novo produto que permite o tratamento de cáries de forma indolor e quase isenta o uso de brocas. É um método químico-mecânico de remoção da dentina cariada. O gel ataca e dissolve a parte cariada que é a seguir removida com instrumentos desenhados e concebidos para o efeito. As aplicações mais indicadas incluem o tratamento de cáries em raízes, cáries profundas e cáries em crianças. Reduz-se assim o risco de lesões traumáticas da pulpa (nervo dentário) e dos problemas pós-operatórios. Propícia um ambiente silencioso e relaxado especialmente indicado no caso de crianças.


Escova de dentes

- Ao contrário do que dizem os publicitários, não existe a escova ideal. Importante é escovar os dentes, de preferência, após cada refeição.
>O comprimento e a forma do cabo não são importantes.
>A melhor escova será a mais macia possível, mas com firmeza suficiente para retirar a placa bacteriana. Para a maioria das pessoas, as de dureza média são as mais adequadas.
>As escovas com a cabeça pequena facilitam o escovar, pois atingem mais eficazmente os pontos difíceis. Também é preferível uma implementação de cerdas mais cerrada.
>As elétricas são uma boa opção (com menos esforço, lavam melhor os dentes), sobretudo para as crianças ou as pessoas com dificuldades motoras. - Proteste 248 junho 2004

Clareamento dos dentes

- Naturalmente já se indagou sobre a possibilidade de branquear os dentes. Sim, actualmente é possível restituir a cor natural aos seus dentes sem o perigo de danificar o esmalte. Para isso a Colgate criou o Platinum - sistema profissional de branqueamento dentário. A utilização deste produto exige a intervenção do seu dentista ou higienista a quem deve consultar.

Dentes ajudam a preservar a memória

- Cuidar bem dos dentes pode prevenir um dos principais sintomas do envelhecimento: a perda de memória. A descoberta foi feita por pesquisadores japoneses, que utilizaram ratos alterados geneticamente para envelhecerem mais rápido. Os animais que tiveram os dentes molares extraídos apresentaram mais problemas de perda de memória. O trabalho foi publicado na revista britânica New Scientist.

Dentes poderão ser criados em culturas de laboratório

- Os cientistas poderão fazer crescer dentes em laboratório, dentro de 20 anos, levando ao abandono das dentaduras postiças e dentes falsos, afirmou Mary McDougall, da Universidade do Texas, no encontro anual da Associação para o Avanço da Ciência.
Mary McDougall acrescentou que esses dentes seriam em seguida usados para implantações dentárias. E assinalou que não haverá perigo de rejeição, visto que os dentes assim gerados serão criados com os próprios tecidos dos doentes.

Boas notícias para as gengivas

- Milhões de americanos com estados avançados de gengivite podem agora tomar um comprimido para combater a principal causa da perda de dentes nos adultos.
A boca reage às bactérias causadoras da doença com uma inflamação que destrói literalmente as gengivas e por fim os ossos que mantêm os dentes no seu lugar. Porém tomando diariamente duas cápsulas de 20 mg de Periostat, um tratamento antibiótico aprovado pela FDA, o doente pode suprimir a enzima responsável por essa destruição, ajudando a retardar, ou mesmo a deter, a gengivite.
Lauran Neergaard, AP (Reader's digest de Abril de 2000)

Dentes sãos

- O melhor amigo dos dentes poderá vir, em breve, do pior inimigo: as bactérias, graças à alteração do genoma da "Streptococcus mutans". A nova estirpe pode colonizar a cavidade oral sem perigo de cárie, pois não produz o ácido que arruina o esmalte.
A possibilidade de preservar a integridade dentária sem esforço, durante toda a vida, é o que nos propõe uma equipa de investigadores da Flórida, de cujo trabalho surgiu uma estirpe bacteriana geneticamente alterada que, além de não provocar cáries, evita que estas se desenvolvam por acção de outras bactérias.
Sendo o principal motor para o aparecimento de cáries, as bactérias que povoam a cavidade oral mantêm-se, desde sempre, como a grande ameaça à integridade dos dentes. Porém, o universo bacteriano que constitui a flora oral humana pode estar a um passo de uma alteração profunda, a avaliar pelo trabalho de investigação recentemente apresentado à comunidade médico-científica no encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência.
Trata-se de uma aplicação da engenharia genética de microorganismos à medicina dentária que consiste, essencialmente, numa alteração engenhosa do genoma da bactéria "Streptococcus mutans", o microorganismo mais frequente da flora oral humana e o mais nocivo para os dentes.
Em termos concretos, o mecanismo através do qual esta bactéria danifica os dentes é a produção de ácido láctico, que a bactéria segrega para a cavidade oral, e que corroi o esmalte - a camada mineral mais externa, e protectora, do dente - sendo responsável por 85% das cáries.
Neste contexto, o feito dos investigadores não podia ser melhor direccionado: conseguiram manipular o genoma do "Streptococcus mutans", de modo a retirar-lhe o gene que codifica a enzima que produz o ácido láctico. A nova estirpe, com a designação BCS3-LI, pode colonizar a cavidade oral humana sem perigo de cárie, pois não tem a capacidade de produzir o ácido que arruína o esmalte.
Além disso, esta estirpe foi dotada de uma arma de grande utilidade para os humanos, na medida em que foi inserido um gene que permite a produção de uma toxina letal para o "Streptococcus mutans". Teoricamente, o resultado da inoculação da estirpe BCS3-LI será a extinção das bactérias "Streptococcus mutans" e, em simultâneo, a sua substituição por uma estirpe que não ataca o esmalte.
E é mesmo este o resultado até agora obtido em ratinhos. A Transmissão da estirpe BCS3-LI para a flora oral das pessoas pode ser feita através de uma aplicação de um spray ou elixir, e o grande objectivo dos investigadores é um programa sem fronteiras de inoculação das populações humanas, particularmente dirigido a crianças com menos de dois anos, para que possam conservar a dentição em perfeitas condições, por toda a vida.
Segundo o investigador principal do projecto BCS3-LI , Jeffrey Hillman, «os ensaios clínicos com voluntários adultos vão ter início ainda este ano. Depois deste primeira fase, passaaremos à avaliação clínica em crianças». Se assim for, esta profilaxia de última geração poderá revolucionar a saúde dentária em muitos pontos do globo, dentro de poucos anos. Porém, a higiene oral e os diversos cuidados de saúde dentária terão que continuar nas rotinas diárias, poi, o "Streptococcus mutans" é dos principais agentes de cárie mas não é o único.Texto de Alberto Vasconcelos para a revista Vidas do Jornal Expresso de 23 de Março de 2002

Tecnologia - Dentes que vibram

- Um receptor implantado num molar para levar telefonemas directamente ao ouvido! É uma ideia de alunos do Royal Coleege of Arts, que já mereceu registo no Museu da Ciência de Londres - ver www.sciencemuseum.org.uk . Os criadores do telefone molar sonham com um dispositivo «equipado com uma membrana vibratória capaz de transformar ondas de rádio em sinais captáveis pelo nervo auditivo. Falta montar os chips de comunicações». Segundo os seus inventores, «estes telefones serão irrecusáveis para corretores que têm de tomar decisões ao segundo e treinadores de futebol que constantemente dão ordens para dentro do campo». revista visão nº488